Polêmica na Câmara Municipal…

Por Luís Pablo Política
 

Presidente da Câmara, Isaías Pereinha

O aumento do número de vereadores está causando uma grande polêmica na Câmara Municipal de São Luís.

Tudo porque, o presidente da Câmara, Isaías Pereirinha (PSL), não concorda com o aumento máximo de vereadores.

Segundo Pereirinha, com mais vereadores na Câmara Municipal será difícil administrar a Casa, porque não haverá aumento de repasses. Além do espaço físico não comportar mais parlamentares.

Ocorre, que com aumento da população de São Luís para o patamar de mais de 1 milhão de habitantes pode fazer com que o número de vereadores tenha acréscimo de mais 10 na Câmara.

Alguns presidentes de partidos não concordam com a posição de Pereirinha e defendem o aumento máximo de vereadores.

Para alguns, com mais parlamentares na Câmara Municipal seria melhor para atender a demanda que a capital maranhense necessita.

Castelo x Roseana: prefeito poderá ser o primeiro buraco da Via Expressa

Por Luís Pablo Política
 

Prefeito João Castelo e a governadora Roseana Sarney

Ao que parece, o prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), pretende jogar duro contra o governo de Roseana Sarney.

Castelo anda com uma espinha na garganta desde quando Roseana, pela via judicial, bloqueou R$ 70 milhões destinados ao município assim que Jackson Lago teve o mandato cassado.

E mais: a governadora também evitou que a prefeitura construísse um hospital de emergência em um terreno no Angelim e faz de tudo para que Castelo não prolongue a avenida Litorânea.

Por sua vez, o prefeito vem fazendo um jogo acirrado para não liberar o alvará para algumas obras que Roseana Sarney pretende implantar na capital, a exemplo da Via Expressa.

Com isso, Castelo e Roseana prejudica diretamente os interesses da população de São Luís.

Essa briga entre o Palácio dos Leões e a Prefeitura de São Luís é só o começo, porque muita água vai rolar. Aguardem!!!

PPS quer explicações de Edison Lobão sobre denúncias de propina na ANP

Por Luís Pablo Política
 

Ministro Edison Lobão

Agência Câmara – O PPS quer convocar o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e convidar o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, para explicar as providências que estão sendo tomadas a respeito da denúncia de cobrança de propina por servidores da ANP, publicada no fim de semana pela revista Época. Segundo a reportagem, uma gravação mostra funcionários da ANP pedindo propina em troca da solução de pendências.

Os requerimentos de convite e convocação foram protocolados na segunda-feira (25) pelo PPS na Comissão Representativa do Congresso Nacional. Durante o recesso parlamentar, a comissão exerce funções que não podem aguardar o reinício dos trabalhos legislativos.

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), não acredita que seja esse o caso e ressalta que o prazo de atuação da comissão se encerra na sexta-feira (29): “Na segunda-feira haverá sessão ordinária na Câmara. Não é convocando a comissão especial, que trata de emergências, urgências e situações especiais, que vai se resolver qualquer problema”.

Mas, para o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), o Congresso precisa dar uma resposta à sociedade imediatamente, ainda que as denúncias digam respeito a fatos ocorridos em 2008: “Quando está em recesso o Parlamento, é nomeada a Comissão Representativa. Agora, se a comissão não cumpre o seu papel de fiscalizar os atos do Poder Executivo no recesso é porque nós temos a lamentar muito a ausência do Parlamento num momento como este”.

Rocha e Dino: uma frágil união

Por Luís Pablo Política
 

Flávio Dino e Roberto Rocha

A oposição no Maranhão é mesmo uma “merda”. Tira, bota, bota, tira, entra, sai, sai e entra. É a casa da mãe Joana, onde todo mundo manda e ninguém manda em ninguém.

Homens de visão limitada, arrogantes, impacientes e vacilantes, alvos fáceis para um general vitorioso em batalha chamado José Sarney.

Hoje, os holofotes miram na direção de Roberto Rocha e Flávio Dino (ambos sem mandato) e que agora buscam a mesma coisa derrotar o prefeito João Castelo em 2012. Continue lendo no blog do Marcelo Vieira.

Deputado Edson Araújo destaca trabalhos da CAE

Por Luís Pablo Política
 

Deputado Edson Araújo

Agência Assembleia – O presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, deputado Edson Araújo (PSL), considera que a Assembleia Legislativa do Maranhão contabilizou um balanço extremamente positivo no primeiro semestre de 2011. “Foram inúmeras matérias apreciadas nesta Casa, dentre requerimentos, projetos de lei, resoluções, vetos e decretos legislativos”, explicou.

Para Edson Araújo, a Comissão de Assuntos Econômicos deu uma grande contribuição aos trabalhos da Assembleia, abrindo um canal direto de diálogo com diversos segmentos da sociedade maranhense. Ele frisou que a Comissão realizou diversas audiências públicas, destacando a que teve como tema “Os problemas causados pela mineradora Vale em razão da inadimplência junto a construtoras maranhenses e seus impactos econômicos e sociais à sociedade local”.

Esta audiência pública, proposta pelo deputado Neto Evangelista (PSDB), foi realizada no dia 19 de abril, no plenário Nagib Haickel, na sede da Assembleia Legislativa. “Com esta audiência, foi possível esclarecer denúncias feitas por empresas do Maranhão e Pará de que a Vale estaria rompendo contratos ocasionando a demissão de milhares de pessoas e levando várias construtoras, que lhe prestam serviços, à falência”, explicou Edson Araújo.

Para ele, outra realização importante da Comissão de Assuntos Econômicos foi o debate travado sobre os problemas em telefonia, fixa e móvel, ocorridos na região de Grajaú e Balsas. “Na cidade de Grajaú conseguimos realizar, no dia 1º de junho, uma grande audiência pública durante a qual se pôde discutir os problemas encontrados na prestação dos serviços de telefonia móvel na cidade e região.

O nosso objetivo foi plenamente alcançado, pois tivemos a chance de ouvir as reivindicações da população e debater possíveis soluções com representantes do poder público, da agência reguladora Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e com as empresas que prestam serviços de telefonia”, afirmou o presidente da Comissão.

Roseana Sarney fica frustrada com adiamento da Refinaria Premium

Por Luís Pablo Maranhão
 

Gabrielli, Dilma, Lula, Roseana Sarney, José Sarney e o ministro Edison Lobão

A governadora Roseana Sarney anda indignada com a posição da Petrobras em adiar a entrega da Refinaria Premium I, no Maranhão, de 2014 para 2016.

Tudo porque, na época da campanha eleitoral a mídia do governo usou e abusou da instalação da refinaria no município de Bacabeira dizendo que seria entregue no prazo determinado. Pura balela.

Ontem, 25, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou que o plano de negócios de 2011 a 2015 da estatal trabalha com a perspectiva de postergação do cronograma da refinaria Premium I, a ser instalada no Maranhão. E disse que a primeira fase do complexo, prevista inicialmente para 2014, foi postergada para 2016.

Segundo Gabrielli, diante da necessidade de revisão nos investimentos, a companhia atendeu ao pedido da presidente Dilma Rousseff de não realizar corte nos aportes às novas refinarias, mas sim uma postergação.

O mais curioso é que no cronograma de instalação da refinaria Premium II, a ser construída no Pecém (CE), não foi adiada e teve a sua data de entrega mantida para 2017. Já no Maranhão, entretanto, foi postergada.

Com essa afirmação do presidente da Petrobras, a governadora pretende se reunir com Gabrielli para saber o real motivo do adiamento da refinaria de Bacabeira.

Segundo uma fonte palaciana, para Roseana Sarney seria uma desmoralização para seu governo se a refinaria for entregue depois do seu mandado, em 2014.

Tucanos ficam sem rota de voo…

Por Luís Pablo Política
 

Por Aline Louise, do Imparcial

Edson Vidigal

Com a saída de dois nomes de peso no partido, o PSDB maranhense procura novos rumos. Mesmo com três deputados federais, três estaduais e três prefeitos das maiores cidades do estado, o partido passa por problemas internos que resultam em desencontro de ideias, interesses e práticas partidárias, cujo estopim começa a se delinear com a saída de Roberto Rocha para o PSB e Edson Vidigal para o PDT.

As duas baixas do tucanato maranhense se deram no momento em que começam a se delinear os quadros das eleições municipais. Indo para o PSB, Roberto Rocha dá sinais de querer uma aproximação com o grupo do PCdoB de Flávio Dino e articular um acordo que tenha como meta a disputa pelo governo estaudal em 2014. A caminho do PDT, Edson Vidigal fala em fortalecer as bases eleitorais do partido após a morte do ex-governador Jackson Lago.

Independente da motivação, as duas saídas deixam às claras a dificuldade de diálogo existente dentro da sigla. Fontes ouvidas pela reportagem apontam, cada uma a sua maneira, diferentes interpretações para as sucessivas despedidas de tucanos para outros ares.

Roberto Rocha

A primeira delas, anunciada há cerca de um mês, foi a do ex-deputado federal Roberto Rocha, que vem enfrentando divergências dentro do partido desde as eleições de 2010. Mesmo tendo a presidência do partido nas mãos há quase quatro anos, Roberto Rocha preferiu deixar a base tucana e arriscar um diálogo com a oposição declarada ao governo do estado.

Já a saída de Edson Vidigal para o PDT teve tom de supresa dentro da sigla. O ex-ministro diz que já havia conversado com a base pedetista, mas não teve diálogo com o partido que está deixando. Apesar disto, Vidigal diz não passar por nenhum incômodo no PSDB e atribui a saída apenas a uma negociação com o PDT.

“A transmigração não ofende a estratégia do conjunto e essa luta de oposição exige uma certa mobilidade para fortalecer todas as trincheiras aliadas. O PSDB já está muito fortalecido com o quadro político que tem hoje, com muitos deputados e prefeituras. Agora é a hora de ajudar o PDT, que precisa de gás após a perda do doutor Jackson (Lago),” argumentou Vidigal.

Nas asas do dilema

No entanto, ainda estão abertas no PSDB várias feridas remanescentes das disputas eleitorais e que hoje determinam o desconforto dentro do partido. Há quem atribua a responsabilidade às atuais administrações municipais do partido e há também quem entenda que as arestas foram causadas pela gestão de Roberto Rocha à frente do partido.

O ex-deputado estadual e ex-chefe da Cassa Civil Aderson Lago (PSDB) é adepto da primeira tese. Como um dos nomes mais antigos do partido, ele diz que não pretende deixar a sigla, mas não vê com bons olhos as administrações de São Luís e Imperatriz, atribuindo aos dois prefeitos grande parte da culpa das desavenças partidárias.

“O que eu sei é que há uma insatisfação generalizada com (João) Castelo e (Sebastião) Madeira, que se elegeram com o partido e deram as costas à sigla durante suas gestões. O PSDB está virando um gueto familiar e quero ficar no partido para dizer umas verdades. O PSDB não é particular, mas está sendo usado em benefício familiar,” asseverou Aderson.

Outra fonte ligada ao governo de João Castelo que preferiu não se identificar atribuiu toda a turbulência à má gestão de Roberto Rocha como presidente da sigla. “Os políticos do PSDB se transformaram em ilhas. Não existia reunião, desde 2010 não temos reunião. Fora que a figura dele (Roberto Rocha) fez com que o partido todo esbarrasse numa dificuldade de alinhamento com a oposição. Ele se candidatou ao Senado sem ouvir ninguém,” disse.

''Maranhão é prioridade no Plano Brasil Sem Miséria'', garantiu Padilha

Por Luís Pablo Maranhão
 

Ministro Alexandre Padilha

O ministro Alexandre Padilha disse, em entrevista a rádio Mirante AM, que o Ministério da Saúde coordenará o desenvolvimento de ações estratégicas dos nove estados da região nordestina. De acordo com o ministro, o Plano ”Brasil Sem Miséria” tem que ir aonde a pobreza está.

– A principal estratégia desse programa é que o Estado brasileiro não tem que ficar esperando os pobres baterem à sua porta. Temos que ir aonde os pobres estão. Por isso, priorizamos as construções de 638 Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Os recursos já estão com os municípios para que possam executar os projetos. Além da oferta de quase dois milhões de consultas oftalmológicas e mais de 800 mil óculos para estudantes, a instalação de 45 centros de especialidades e 91 unidades móveis odontológicas, o fornecimento de 476 mil próteses dentárias e a construção de 50 mil cisternas, poços e sistemas de abastecimento de água e saneamento na região – esclareceu.

Com recursos de R$ 700 milhões, as ações de saúde começam a ser executadas pelos estados e municípios do Nordeste e serão desenvolvidas até 2014. As medidas foram anunciadas ontem, em Arapiraca (AL), pela presidente Dilma Rousseff.

Até o fim deste ano e dentro do programa ‘Brasil Sem Miséria’, o Ministério da Saúde, em parceria com estados e municípios da região Nordeste, construirá – com recursos da ordem de R$ 140 milhões – 638 Unidades Básicas de Saúde em 448 cidades avaliadas como locais de extrema pobreza. Em todo o país, esta quantidade de UBSs inseridas no Brasil Sem Miséria chegará a 1.219 unidades.

No Sistema Único de Saúde (SUS) serão construídas 3.272 UBSs em todo o país até 2014, com previsão de investimento do Ministério da Saúde de R$ 910 milhões.

– No Nordeste, principalmente, queremos ampliar e qualificar a atenção básica como forma de enfrentarmos questões de saúde que ainda afetam consideravelmente a população desta região, como é o caso das ocorrências relacionadas à atenção pré-natal e o enfrentamento das chamadas ‘doenças negligenciadas – observa o ministro Alexandre Padilha.

Ações no Maranhão – O Maranhão está inserido no programa de combate à pobreza do governo federal. O ministro Alexandre Padilha garantiu que o Estado será beneficiado com a prestação de serviço odontológico, por meio do Brasil Sorridente.

– Iremos equipar 140 novas equipes de saúde bucal, entre os quais, dentistas, técnicos de higiene dental e profissionais de saúde bucal. Vamos ter seis unidades móveis para rodar no interior para procedimentos odontólogicos. Faremos mutirões prevendo, inicialmente, a cobertura de próteses dentárias. E teremos laboratórios no interior prevendo que possam produzir 60 mil próteses. Colocar, tambem, mais quatro novos Centros Especializados em cirurgia dentária, implante dentário, ortodontia. Nosso objetivo é focar exatamente essa concentração de pobreza no Estado do Maranhão – disse.

O ministro Padilha comentou sobre a atuação do Rede Cegonha no Maranhão. Segundo ele, o programa atenderá às comunidades carentes do Estado, além das comunidades indígenas.

– Nós estamos introduzindo teste rápido para a gravidez no pré-natal, teste rápido para HIV no pré-natal e testagem para Hepatite B e C nos Centros de Testagem Anônima (CTA), onde começaremos em agosto apenas nas capitais brasileiras. No ano que vem, estenderemos a testagem para hepatite B e C para os municípios para que as pessoas possam descobrir se tem o vírus da doença – explicou.

Prioridade – Ele citou como uma prioridade do Ministério da Saúde é o combate às drogas no Brasil. “Temos que reorganizar o serviço de saúde e ter uma rede específica para poder acolher e receber as pessoas que estão sob dependência de qualquer substância química”, defende. (Do Imirante).

Preço da gasolina pode aumentar no país, diz Gabrielli

Por Luís Pablo Brasil
 

Do G1

Presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse em entrevista ao Jornal da Globo, nesta segunda-feira (25), que a capacidade de produção de gasolina chegou ao limite no país, e que, com tanta demanda, o preço pode aumentar.

Gabriellli afirmou que, com o aumento da venda de carros flex e a diminuição da produção de alcool, a solução, por enquanto, é importar gasolina. A capacidade de refino da Petrobrás, segundo ele, atingiu o limite.

Entre os projetos da empresa está a construção de mais quatro refinarias, que começam a entrar em operação a partir do ano que vem.

“Chegamos a uma situação bastante diferenciada em 2010 e 2011, que é o aumento acelerado da demanda de gasolina.

Com a crise do etanol e com a venda de carros flexiveis, flexfuel, que podem usar a gasolina e o etanol, houve um aumento
grande da demanda de gasolina. Tivemos aumento de 19% da demanda de gasolina em 2010, que fez com que nossa capacidade de produção de gasolina chegasse ao limite. Nós estamos praticamente no limite das nossas refinarias hoje existentes para a produção de gasolina”, afirmou Gabrielli.

Insegurança no Recanto dos Vinhais

Por Luís Pablo Polícia
 

Constantes assaltos no Recanto dos Vinhais

No bairro do Recanto dos Vinhais a insegurança amedronta moradores. São constantes assaltos no bairro e o policiamento na área não existe.

Os assaltos ocorrem justamente na parte da noite, por volta das 20h, quando os moradores estão vindo do trabalho e indo para suas residências.

Geralmente os marginais ficam escondidos atrás dos prédios na espera de alguma pessoa entrar para roubar.

São inúmeras reclamações e ligações para polícia fazer a ronda no bairro para diminuir a onda de assalto, mas o policiamento só passa depois dos meliantes fazerem o raspa no local.