VÍDEO! Polícia acaba de prender homem que agrediu mulher na Lagoa da Jansen

Por Luís Pablo Política
 
Agressor é colocado dentro do camburão

Agressor é colocado dentro do camburão

Um acidente de trânsito, ainda há pouco, na Lagoa da Jansen, em São Luís-MA, chamou a atenção de várias pessoas que passavam no local.

O acidente envolveu um homem e uma mulher, que foi agredida pelo motorista após colidir seu carro com o dele. A atitude do homem deixou as pessoas revoltadas.

A polícia efetuou a prisão do motorista em flagrante. No vídeo aparece policiais militares colocando o agressor no camburão.

CLIQUE E VEJA:

Serviço de Inteligência descobriu plano terrorista para matar Bolsonaro

Por Luís Pablo Polícia / Política
 
Presidente eleito Bolsonaro

Presidente eleito Bolsonaro

Em reunião sigilosa, homens do Serviço de Inteligência e investigadores da Polícia Federal estiveram reunidos ontem para tratar do reforço ao sistema de segurança pessoal ao presidente eleito Jair Bolsonaro.

A preocupação aumentou mais ainda depois que o Serviço de Inteligência descobriu um plano terrorista para atentar contra a vida do presidente eleito. Como, quando e onde seria o atentado? É uma pergunta cercada de mistérios.

Porém, o futuro ministro da Defesa, general da reserva Augusto Heleno, confirmou a existência e o aborto do plano, sem revelar detalhes e nomes de quem estaria envolvido.

— A informação de que foi plotado um planejamento de um ato terrorista contra o presidente (Bolsonaro) é verdade. Isso já foi confirmado por autoridades da área de inteligência — disse, conforme publicado hoje no jornal carioca O Extra.

Flávio Dino parte para cima de Bolsonaro e Sérgio Moro

Por Luís Pablo Política
 

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), decidiu parte para cima do presidente eleito Jair Bolsonaro e do juiz federal Sérgio Moro.

Em sua rede social, Flávio disse que Moro e Bolsonaro “estavam militando no mesmo projeto político: o da extrema-direita.”

Dino disse ainda que Sérgio Moro perdeu credibilidade ao aceitar o ministério de Jair Bolsonaro e que foi a “comprovação de interesses eleitorais na Lava-Jato”.

Nem Moro e muito menos Bolsonaro responderam às postagens de Flavio Dino.

“Aceitei o honrado convite”, diz Sérgio Moro ao anunciar que será ministro da Justiça do governo Bolsonaro

Por Luís Pablo Brasil
 
Bolsonaro e seu ministro Moro

Bolsonaro e seu ministro Moro

O juiz federal Sérgio Moro aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para comandar o Ministério da Justiça.

Moro e Bolsonaro estiveram reunidos na manhã desta quinta-feira, no Rio de Janeiro. O juiz chegou na casa de Bolsonaro, na Barra da Tijuca, um pouco antes das 9h. Ele veio de Curitiba em voo de carreira e sem seguranças.

Após o encontro, Sérgio Moro divulgou nota dizendo que aceitou “honrado” o convite e disse, ainda, que aceitava o cargo com “certo pesar” pois terá que abandonar a carreira de juiz após 22 anos de magistratura.

Sérgio Moro é o quinto ministro anunciado pelo governo Bolsonaro. Outros quatro já foram anunciados: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), general Augusto Heleno (Defesa) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

ABAIXO A NOTA DO JUIZ SÉRGIO MORO:

Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Publica na próxima gestão. Apos reunião pessoal na qual foram discutidas politicas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na pratica, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguira em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controversas desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes.

Curitiba, 01 de novembro de 2018.
Sergio Fernando Moro

Edivaldo garante que tarifa da passagem de ônibus não irá subir em São Luís-MA

Por Luís Pablo Política
 
Prefeito Edivaldo Holanda Júnior concedendo entrevista

Prefeito Edivaldo Holanda Júnior concedendo entrevista

O prefeito de São Luís-MA, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), utilizou sua rede social para desmentir a possibilidade de reajuste na tarifa da passagem de ônibus.

Edivaldo garantiu que não haverá aumento do preço da passagem em 2018. Ele disse ainda que “o reajuste de salário dos trabalhadores do transporte é uma discussão entre os dois sindicatos”.

O suposto aumento no transporte público do preço mais alto da passagem seria para R$ 4,00 caso as reivindicações do Sindicato dos Rodoviários fossem atendidas.

“A Prefeitura, no seu dever de resguardar o direito de ir e vir do cidadão, garantiu na Justiça a circulação da frota do transporte urbano durante as negociações entre o SET [Sindicato das Empresas de Transporte] e os Rodoviários, para que a população não seja prejudicada sem o serviço”, disse Edivaldo.

Sâmara Braúna propõe portal da transparência em tempo real para OAB

Por Luís Pablo Maranhão
 
Sâmara Braúna durante reunião com vários advogados

Sâmara Braúna durante reunião com vários advogados

A candidata à Presidência da OAB-MA Sâmara Braúna propôs, durante reunião com advogados, um portal da transparência em tempo real para Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão.

“Vamos implantar efetivamente um portal da transparência na OAB-MA. Um que permita o acesso em tempo real de todos os advogados, em todos os locais do Estado. O advogado vai ter acesso aos relatórios e informações sobre as receitas e os gastos. Temos o direito de saber o que está sendo feito com o dinheiro das anuidades pagas”, declarou.

A proposta da candidata, que é da chapa 3 “A Força da Inclusão”, foi aceita por cerca de 100 advogados, oriundos da capital e dos demais municípios maranhenses.

Sâmara Braúna também lembrou que uma das promessas de campanha da atual gestão da OAB-MA era a implantação do Portal da Transparência, o que não ocorreu efetivamente como os advogados esperavam.

A Seccional do Maranhão tem 86 anos de existência, mas nas gestões anteriores, nunca houve uma real iniciativa de tornar os gastos e a arrecadação públicos e transparentes diante da Classe.

“Também pensamos em fazer um manual de compras, para estabelecer os critérios de cadastro de escolha de fornecedores, como será feita a aquisição de material de expediente, como é feito em processos de licitação. Com lisura e mostrando qual será o real beneficio de tal aquisição, para a OAB. Ajudando na competitividade e não contratando prestadores de serviços por contratar, usando como critério o ser amigo ou colega, como aconteceu agora durante a reforma no prédio da nossa sede. Onde uma empresa foi contratada sem a mínima condição de executar a obra”, afirmou.

Outro ponto falado durante a reunião foi a valorização da advocacia: “nossa gestão não quer ser a porta-voz exclusiva dos anseios da classe. Mas quer ouvir, antes de tudo, ter sintonia entre o que se fala na OAB e o que se fala na Classe. Promover de forma sistemática e periódica, a realização de assembléias gerais e de advogados, com oportunidade para que todos os inscritos possam apresentar idéias, proposições, sugestões e reclamações sobre temas relacionados à Ordem”, destacou.

O advogado Adelmano Benigno, vice de Sâmara, aproveitou também para falar sobre o projeto do grupo à frente da OAB. “Somos a terceira via. Quem está insatisfeito com a atual gestão e também não quer o retrocesso dos que já estiveram na Ordem, terá essa terceira opção! Vamos trabalhar para a classe, para a inclusão do novo, da mulher advogada, daqueles que não têm espaços nos quadros da Ordem por conta do aspecto político. Nossa proposta é uma gestão que una toda a advocacia de forma inclusiva. É essa a nossa Bandeira”, defendeu o advogado.

Supremo confirma suspensão de ações policiais em universidades

Por Luís Pablo Judiciário
 

O Supremo Tribunal Federal confirmou por unanimidade a suspensão dos efeitos de operações realizadas na semana passada em universidades. Os ministros consideraram que houve tentativa de barrar a liberdade de expressão.

O julgamento foi incluído na pauta em caráter de urgência porque, de acordo com o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, “estava em jogo a liberdade de expressão nas universidades brasileiras”.

Na semana passada, antes da eleição, juízes eleitorais autorizaram operações em universidades públicas de pelo menos nove estados; seriam para apurar denúncias de campanhas político-partidárias contra a candidatura Jair Bolsonaro (PSL) dentro das instituições de ensino.

Na véspera do segundo turno da eleição, a ministra Cármen Lúcia suspendeu por liminar os efeitos das ações policiais e judiciais.

Nesta quarta-feira (31), a procuradora-geral da República, que propôs a ação, argumentou que os juízes eleitorais feriram a Constituição. Ao votar, a ministra Cármen Lúcia disse que não há democracia sem respeito às liberdades.

“Impor-se a unanimidade universitária, impedindo ou dificultando a manifestação plural de pensamento, é trancar a universidade, silenciar estudantes e a amordaçar professores. A única força legitimada a invadir uma universidade é a das ideias livres e plurais. Qualquer outra que ali ingresse sem causa jurídica válida é tirana e tirania é o exato contrário da democracia”.

O ministro Gilmar Mendes fez uma defesa da liberdade de cátedra, a liberdade de ensinar dos professores e se manifestou sobre vídeos filmados em sala de aula.

“Diante do concreto risco que ora se apresenta, somente é possível garantir os direitos fundamentais do cidadão brasileiro por meio da obrigação de que os provedores de aplicação, após notificação por parte do interessado, retirem o conteúdo ofensivo de suas plataformas tais como aqueles que ameacem a liberdade de cátedra ou como aqueles que se configurem discurso de ódio, a criação de patrulhas com ameaças à liberdade de cátedra que não vêm da polícia”.

O último a votar foi Celso de Mello, que assumiu a presidência depois que dias Toffoli deixou a corte para uma viagem a trabalho. O decano votou com a relatora, ministra Cármen Lúcia, formando placar de nove a zero para suspender ações que tentaram impedir a liberdade de expressão nas universidades.

No voto, o ministro falou sobre tolerância e direito de participação das minorias.

“Regimes democráticos, todos sabemos, não convivem com prática de intolerância ou até mesmo com comportamentos de ódio, pois uma de suas características reside fundamentalmente no pluralismo de ideias e na diversidade de visões de mundo, de viabilizar no contexto de uma dada informação social uma comunidade inclusiva de cidadãos, inclusiva de cidadãos, não podemos esquecer de que grupos minoritários em processos eleitorais têm o legítimo direito de oposição na medida em que os grupos vencidos no processo eleitoral têm um expresso mandato para opor-se. E a oposição não pode ser suprimida, a voz da oposição não ser pode jamais ser silenciada, sob pena de recuarmos no tempo a períodos históricos realmente sinistros”.

(Com informações do Jornal Nacional)

Prefeito Eric Costa vistoria obras do Hospital de 50 leitos em Barra do Corda

Por Luís Pablo Política
 

Na tarde desta quarta-feira, dia 31, o prefeito Eric Costa esteve vistoriando o andamento das obras de construção de um hospital de 50 leitos.

O hospital está em fase de conclusão da laje de cobertura e será entregue em breve para a população de Barra do Corda-MA.

“Uma importante obra que está sendo tocada com dinheiro do orçamento municipal e que aumentará substancialmente a oferta de serviços na área de Saúde, de média-alta complexidade, beneficiando a população de Barra do Corda e região”, disse Eric.

“Quem roubar vai para a cadeia e Bolsonaro joga a chave fora”, diz futuro ministro da Casa Civil

Por Luís Pablo Política
 
Deputado federal e futuro ministro Onyx Lorenzoni

Deputado federal e futuro ministro Onyx Lorenzoni

Nome escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para ser ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) afirmou nesta segunda-feira (29) que a equipe a ser composta no novo governo quer saber “a verdade” sobre a Petrobras. Segundo o parlamentar, no governo Bolsonaro “quem roubar vai para a cadeia e ele joga a chave fora”.

Onyx Lorenzoni disse que o país vive um drama em relação aos combustíveis e que o cidadão brasileiro paga uma conta absurda por conta dos equívocos cometidos no passado.

“É razoável pedir que todos tenham um pouquinho de paciência para que o Bolsonaro e a sua equipe possam conhecer a realidade e, aí, com base nos conceitos que nos propagamos ao longo de toda a campanha, a gente possa dar o direcionamento para ela [Petrobras] servir ao Brasil”, disse.

No saguão do Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, onde está hospedado, a poucos metros da casa de Bolsonaro, Onyx foi questionado sobre o futuro da política de preços da estatal.

“Nós temos que, primeiro, entender qual é a verdade sobre a Petrobras. Quem sabe, no Brasil, a verdade sobre a Petrobras? Tenho curiosidade de saber se o presidente [Michel] Temer sabe. Por quê? Porque a Petrobras passou por um período em que se transformou da sétima petrolífera do mundo, na vigésima oitava, graças à roubalheira e utilização inadequada da empresa”, afirmou.

O futuro ministro adiantou, ainda, que a economia será a primeira área a receber atenção do governo. Ele contou que os primeiros nomes técnicos devem ser apresentados até quinta-feira (1º). Outros indicados para ministérios, no entanto, só devem surgir mais tarde, acrescentou.

“Tudo isso está sendo constituído. Nós temos os conceitos. Normalmente, no Brasil, se começava com os projetos, os governos vinham com planos, projetos, tudo arrumadinho, embalado por um marqueteiro. João Santana, né? Por exemplo, que foi o último do governo Dilma, já deu o governo dela pronto. No nosso governo não tem nada pronto. Tem os conceitos bem estabelecidos para criar uma nação forte e não apenas um país grande”, declarou.

Polícia prende dez pessoas por fraude em Paço do Lumiar; veja a lista dos presos

Por Luís Pablo Polícia
 

Na manhã desta quarta-feira, dia 31, foi deflagrada a segunda fase da Operação Cooperare, que investiga irregularidades na contratação da Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços (COOPMAR) pela Prefeitura de Paço do Lumiar-MA.

A operação foi realizada pelo Ministério Público do Maranhão, por meio da 1a Promotoria de Justiça de Paço do Lumiar e do Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), em parceria com a Polícia Civil e Controladoria Geral da União (CGU).

A polícia cumpriu mandados de prisão preventiva de Gleydson de Jesus Gomes Araújo, Marcelo Antônio Muniz Medeiros, Raildson Diniz Silva, Marben Costa Bezerra, Hilda Helena Rodrigues da Silva, Carlos Alex Araújo Prazeres, Artur Costa Gomes, Peterson Brito Santos, Lucas do Nascimento e Aislan Denny Barros Alves da Silva. Os acusados foram denunciados por lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato.

INVESTIGAÇÃO

A primeira fase da Operação Cooperare aconteceu em 2016. Durante as investigações, foi apurado que a COOPMAR, ao longo de três anos, recebeu repasses de 17 prefeituras e também da Federação das Administrações Municipais do Estado do Maranhão (Famem), da ordem de R$ 230 milhões.

Desse total, R$ 12.929.170,11 foram creditados pelo Município de Paço do Lumiar.

Relatórios técnicos da Assessoria Técnica do Ministério Público e da CGU constataram que a COOPMAR não possuía os requisitos necessários para ser classificada como cooperativa de trabalho, funcionando, na prática, como uma empresa privada.

Na época, foram cumpridos mandados de busca, apreensão e de bloqueio de bens, autorizados pela juíza Jaqueline Caracas, da 1ª Vara de Paço do Lumiar.