Advogado da JBS é preso pela Polícia Federal em São Luís

Por Luís Pablo Política
 

Advogado Willer Tomaz

Advogado Willer Tomaz

O advogado do frigorífico JBS, Willer Tomaz, foi preso na manhã desta quinta-feira (18) em um hotel no bairro Ponta do Farol, em São Luís.

Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ele teve a prisão preventiva decretada em virtude da delação de Joesley Batista, um dos sócios da JBS, que foi divulgada na quarta-feira (17) pelo jornal “O Globo”.

Segundo a comissão de defesa de prerrogativas da OAB no Maranhão (OAB-MA), que acompanha o caso Willer, que é proprietário de um escritório de advocacia em Brasília, afirmou que defende a JBS desde janeiro deste ano.

O advogado Willer Tomaz foi encaminhado para a sede da Polícia Federal (PF), no bairro Cohama, na capital, de onde será levado para Brasília ainda nesta tarde.

A delação

Os donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista, disseram em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), depois que ele foi preso na operação “Lava Jato”. A informação é do colunista do jornal “O Globo” Lauro Jardim. Ainda não há informação sobre se a delação foi homologada.

Segundo o jornal, o empresário Joesley entregou uma gravação feita em 7 de março deste ano em que Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver assuntos da J&F, uma holding que controla o frigorífico JBS no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em outra gravação, também de março, o empresário diz a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. Diante dessa informação, Temer diz, na gravação: “tem que manter isso, viu?”.

Na delação de Joesley, o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, é gravado pedindo ao empresário R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato.

“Não renunciarei”, diz Michel Temer em pronunciamento

Por Luís Pablo Política
 

O presidente Michel Temer não renunciará. Em pronunciamento feito agora há pouco, Temer descartou a possibilidade de deixar o cargo.

“Não renunciarei. Não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida”, declarou.

Temer disse, ainda, que a conversa gravada “clandestinamente” dentro da Presidência da República trouxe de volta o “fantasma da crise política”

Confira abaixo o pronunciamento do presidente:

Sarney é chamado ao Palácio do Planalto para aconselhar Michel Temer

Por Luís Pablo Política
 

José Sarney e Michel Temer

O ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB) foi chamado às pressas ao Palácio do Planato para aconselhar o presidente Micael Temer. A informação é da Globo News.

A movimentação é grande no Palácio. Além de Sarney, também está na reunião com Temer o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia.

Eles estão discutindo como o governo deverá reagir à grave denúncia sobre a gravação de Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Caberá ao ex-presidente Sarney a difícil missão de solucionar o grande estrago que abalou a república.

Bomba! Supremo autoriza abertura de inquérito para investigar Temer

Por Luís Pablo Brasil
 
Temer na presidência

Temer na presidência

(Com informações do G1)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Com a decisão de Fachin, Temer passa formalmente à condição de investigado na Operação Lava Jato.

O pedido de abertura de inquérito foi feito após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista, dizer em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravou, em março deste ano, o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo”.

A delação de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, foi homologada, segundo o Supremo.

O presidente poderá ser investigado pela PGR porque os supostos crimes imputados a ele foram cometidos durante o mandato de presidente.

Pesquisa aponta que população de Pinheiro vai votar no candidato de Luciano Genésio a deputado estadual

Por Luís Pablo Política
 
Luciano Genésio ao lado da esposa Thaiza Hortegal e o irmão Lúcio André

Luciano Genésio ao lado da esposa Thaiza Hortegal e o irmão Lúcio André

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Perfil apontou que população do município de Pinheiro-MA vai votar, nas eleições em 2018, no candidato do prefeito Luciano Genésio.

Os números mostraram que a primeira-dama da cidade e o irmão do prefeito estão à frente dos demais candidatos ao cargo de deputado estadual, nas próximas eleições.

No primeiro cenário, a médica Thaiza Hortegal, mulher do prefeito, aparece bem avaliada com 29,3% das intenções de votos. Em seguida vem o ex-prefeito Filuca Mendes com 11,6% e o deputado estadual Othelino Neto com 8,4%.

No segundo levantamento, Lúcio André, irmão de Genésio, desponta com 25,5% dos votos; Filuca 11,8% e Othelino com 10,1% dos votos.

Lúcio André e Thaiza são candidatos, mas apenas um será escolhido por Luciano para entrar na disputa. A escolha será definida pelos resultados de pesquisas que serão realizadas até o início do período eleitoral.

Os dois vêm se articulando. O primeiro tem acompanhado o irmão em suas ações na prefeitura. A médica tem trabalhado intensamente na sua área, pediatria, e também realizado ações sociais.

O levantamento do Instituto Perfil ouviu 475 pessoas e teve uma margem de erro foi de 4,5 pontos percentuais para ou para menos, com um nível de confiança de 95%.

Veja abaixo:

Flávio Dino e o seu circulo de aliança

Por Luís Pablo Política
 
Flávio Dino com Dilma, Eduardo Cunha e Aécio Neves

Flávio Dino com Dilma, Eduardo Cunha e Aécio Neves

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), está atrelado às principais figuras do poder da política nacional que estão enroladas até o pescoço na Lava Jato.

No circulo de aliança de Flávio tem pessoas como a ex-presidente Dilma Rousseff, o senador Aécio Neves e o deputado cassado Eduardo Cunha. Todos figuras centrais do que há mais podre na política do país.

Dilma, Aécio e Cunha, foram bem recebidos por Dino no Maranhão. O governador fez questão de estampar as imagens com eles nos meios de comunicação, naquela época.

Desde que entrou na política, Flávio parece ter esquecido que já foi juiz federal e toda doutrina sobre a reputação ilibada. É como se tivesse rasgado a toga para se misturar com políticos do naipe de Eduardo Cunha.

Durante o processo de impeachment, o governador chegou até falar mal do juiz federal Sérgio Moro, em defesa de Dilma Rousseff. À época, o presidente Ajufe, Antônio César Bochenek, detonou (relembre aqui).

Agora, Flávio está na Lava Jato e quase todos de suas relações promíscuas também.

Procurador preso pela PF é assessor de Nicolao Dino, irmão de Flávio Dino

Por Luís Pablo Política
 
Procurador Angelo Goulart

Procurador Angelo Goulart

O procurador da República Ângelo Goulart, alvo de mandado de prisão em operação originada na delação premiada da JBS, é assessor do vice-procurador-eleitoral Nicolao Dino, irmão do governador Flávio Dino (Maranhão).

A Polícia Federal cumpre, na manhã de hoje, dia 18, buscas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nos computadores do procurador. A busca é restrita à sua sala.

Ângelo Goulart é suspeito de envolvimento na Operação Greenfield, que investiga irregularidades em quatro dos maiores fundos de pensão do país, todos ligados a estatais.

O vice-procurador-geral Nicolao Dino está acompanhando as medidas da PF, que foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Conselheiro Edmar Cutrim suspende licitação do governo Flávio Dino

Por Luís Pablo Política
 
Conselheiro Edmar Cutrim

Conselheiro Edmar Cutrim

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) concedeu, na sessão do Pleno desta quarta-feira (17) medida cautelar suspendendo procedimento licitatório realizado pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares – EMSERH, controlada pelo governo Flávio Dino.

A decisão atende a denúncia com pedido de liminar formulada por um dos participantes do certame, a Empresa Laboratório de Análises Clínicas do Maranhão Ltda. – Lacmar.

Trata-se do Pregão Presencial regido pelo Edital de Credenciamento nº 013/2017-CSL/EMSERH, decorrente do Processo Administrativo nº 15.612/2017.

Na peça inicial, a denunciante alega que a licitação conduzida pelo presidente da Comissão Central de Licitação da EMSERH teria praticado atos administrativos contrários à lisura do processo.

Entre outros fatos, a empresa alega ter sido inabilitada sob o argumento de não ter apresentado Atestado de Capacidade Técnica que contemplasse todo o objeto licitado.

Por outro lado, continua a denúncia, a empresa concorrente teria se valido de “expediente reprovável” para garantir sua habilitação, na medida em que usou de forma mesclada documentos pertencentes à matriz e à filial, além de ter apresentado balanço contábil registrado apenas em cartório de Pessoas Jurídicas, quando deveria constar também o registro de praxe da Junta Comercial do Estado do Maranhão – Jucema.

Reconhecendo o risco de dano ao erário, o TCE, em processo relatado pelo conselheiro Edmar Cutrim, determinou a suspensão do procedimento licitatório até o julgamento do mérito, medida que inclui a citação da Presidente da Comissão Central de Licitação da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares – EMSERH, Jéssica Thereza M. R. Araújo, do Pregoeiro Francisco de Assis do Amaral Neto e do presidente da empresa, Anderson Flavio Lindoso Santana, para que se pronunciem acerca da denúncia no prazo de até quinze (15) dias, contados da data do recebimento da decisão.

Fachin manda afastar Aécio do mandato e envia ao plenário do STF pedido de prisão

Por Luís Pablo Brasil
 
Senador Aécio Neves

Senador Aécio Neves

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), mandou afastar o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), do mandato de senador. O magistrado, no entanto, negou o pedido apresentado da Procuradoria Geral da República (PGR) para prender o parlamentar tucano.

No despacho, conforme apurou a TV Globo, Fachin decidiu submeter ao plenário do Supremo o pedido de prisão de Aécio solicitado pela PGR.

Endereços ligados ao parlamentar tucano também são alvo de mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (18) no Rio de Janeiro e em Brasília.

O relator da Lava Jato determinou ainda que o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) seja afastado da Câmara.

Apartamento do senador Aécio Neves é alvo de busca e apreensão durante operação da Lava Jato em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro

Apartamento do senador Aécio Neves é alvo de busca e apreensão durante operação da Lava Jato em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro

Reportagem publicada nesta quarta (17) no site do jornal “O Globo” revelou que o dono do frigorífico JBS Joesley Batista entregou à Procuradoria Geral da República (PGR) uma gravação na qual Aécio pede ao empresário R$ 2 milhões.

No áudio gravado por Joesley, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. O senador tucano é alvo de seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) relacionados à Lava Jato.

O Senado informou à TV Globo que, até o momento, ainda não recebeu oficialmente o mandado do ministro do Supremo que mandar afastar Aécio do parlamento.

Ministro Edson Fachin

Ministro Edson Fachin

Além de afastar o senador do PSDB, Fachin expediu um um mandado de prisão contra a irmã e assessora de Aécio, Andréa Neves. Segundo a TV Globo apurou, um procurador da República foi preso e há mandados contra pessoas ligadas ao deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

No Rio, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em três endereços: os apartamentos de Aécio e da irmã dele e o imóvel de Altair Alves Pinto, conhecido por ser braço direito de Cunha.

O procurador da República Ângelo Goulart Villela, que atua no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), foi preso na manhã desta quinta pela Polícia Federal. Agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão na sede da Corte eleitoral, em Brasília.

Fachin também expediu mandado de prisão contra o advogado Willer Tomaz, que é ligado a Eduardo Cunha.

Bomba, Bomba e Bomba! Polícia Federal amanhece na casa de Aécio Neves

Por Luís Pablo Política
 
Equipes da PF e do MPF em frente ao prédio de Andrea Neves, irmã de Aécio, em Copacabana

Equipes da PF e do MPF em frente ao prédio de Andrea Neves, irmã de Aécio, em Copacabana

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal realizam operação da força-tarefa da Lava Jato desde o início da manhã desta quinta-feira (18), no Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Federal, com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), estão sendo cumpridos mandados de busca a apreensão nos apartamentos de pelo menos três alvos: o senador Aécio Neves; a irmã dele, Andrea Neves; e Altair Alves Pinto, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha.

Por volta das 6h15, pelo menos 5 carros descaracterizados da Polícia Federal chegaram à chapelaria do Congresso, em Brasília, que é a principal entrada e a mais utilizada pelos parlamentares. No Congresso, as buscas são feitas nos gabinetes de Aécio, do também senador Zeze Perrella (PMDB-MG) e do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Equipes começaram a deixar a sede da PF, na Zona Portuária do Rio, por volta das 5h30. Os carros com agentes foram par três endereços: em Ipanema, na casa de Aécio; em Copacabana, onde a imrã tem apartamento; e na Tijuca, casa de Altair.

Na noite de ontem Aécio Neves foi visto lendo o noticiário no celular e, em seguida, deixou o Congresso

Na noite de ontem Aécio Neves foi visto lendo o noticiário no celular e, em seguida, deixou o Congresso

Em Ipanema, um chaveiro foi chamado para auxiliar o trabalho dos agentes, já que ninguém foi encontrado para abrir a porta no apartamento de Aécio.

O senador já responde a seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Por volta das 6h25, os agentes conseguiram entrar no apartamento após acionar um chaveiro para abrir a porta. O funcionário de um hotel que fica ao lado do edifício foi chamado para servir de testemunha.

Pouco antes das 6h, os agentes chegaram na casa de Altair, na Rua Conselheiro Olegário, número 20, na Grande Tijuca, Zona Norte do Rio. Os policiais pretendem cumprir mandado de busca e apreensão no local.

PF na casa de Aécio no Lago Sul

PF na casa de Aécio no Lago Sul

Altair já trabalhou no gabinete do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e também no gabinete de outros deputados ligados ao ex-presidente da Câmara. Ele já foi apontado por Fernando Baiano por ser o responsável por transportar propinas para Cunha.

Os agentes também chamaram um chaveiro para abrir a porta do imóvel, mas até as 7h ainda não havia informações se os agentes encontraram alguém no imóvel.

(Com informações do G1)