Após ser isolado do grupo, Edivaldo é procurado por Márcio Jerry

Por Luís Pablo Política
 

Foi só o ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior anunciar sua saída do PDT e virar pauta sobre a sucessão ao Governo do Maranhão em 2022, para ser procurado pelos próprios aliados que lhe isolaram do grupo liderado pelo governador Flávio Dino (PCdoB).

Ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior e o secretário Márcio Jerry

Ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior e o secretário Márcio Jerry

Ontem, dia 10, Edivaldo se reuniu com o deputado federal licenciado e secretário de Estado das Cidades, Márcio Jerry.

Em sua rede social, o secretário divulgou o registro do encontro: “Reuni hoje com o ex-prefeito de São Luís”.

Na reunião, segundo Márcio Jerry, foi falado sobre “passado, presente e futuro do nosso Maranhão”.

Nos bastidores o comentário é que o ex-prefeito da capital seria um bom vice na chapa do vice-governador Carlos Brandão, candidato oculto de Flávio Dino.

BOMBA! Denúncia relata o jogo de cartas marcadas na SINFRA do Maranhão

Por Luís Pablo Política
 

Secretário de Infraestrutura do MA, Clayton Noleto

Secretário de Infraestrutura do MA, Clayton Noleto

O site Luís Pablo recebeu uma grave denúncia sobre as licitações de obras nas 21 regionais envolvendo a Secretaria de Estado de Infraestrutura (SINFRA-MA) no centro de corrupção de um suposto direcionamento.

A denúncia diz que a pasta comandada por Clayton Noleto estaria operando um “esquemão” com empreiteiras. De acordo com a denúncia, o esquema seria comandado por uma mulher identificada como Rosângela, com auxílio de outra mulher identificada como Rose.

Rosângela seria a pessoa que realmente manda nas licitações da Sinfra e o chefe no papel, Athos de Carvalho de Melo, seria apenas “uma figura decorativa”.

Ainda de acordo com a denúncia, o suposto esquema envolve as empresas Qualitech, Silveira, Gomes Sodré, RDC, 4MA, Agil, Nissi, D.A Construções e GPA.

As três primeiras teriam entrado no acordo através de uma Ata de Registro de Preços, enquanto as demais negociavam direto com a operadora do esquema.

As empresas estariam acordando entre si e com os servidores da Sinfra quais obras cada uma iria executar, não deixando espaço para construtoras de fora do “esquemão” participarem das licitações. Uma espécie de jogo de cartas marcadas.

Acordo entre as empresas

A denúncia recebida pelo site traz uma listagem de todas as 21 concorrências e aponta quais os supostos esquemas teriam sido realizados para que cada uma vencesse.

Para a obra nas regionais de São Luís e Rosário, feita através da Concorrência 006/2020 apenas a empresa Gomes Sodré foi classificada, como é possível conferir na listagem de convocação de vencedores da SINFRA.

Já para a regional de Chapadinha foram classificadas duas empresas na Concorrência 007/2020, a Ágil Construções e a 4MA Engenharia. Esta segunda, consta no relato da denúncia, não teria condições de realizar o volume de trabalho exigido no edital.

“(…) tendo executado uma única obra: construção de um campo de futebol no valor de R$ 281.542,18 no município de Vitorino Freire, ou seja, sem atestado, sem capital, consegue participar e sair vencedora de duas concorrências no valor de R$ 41.978.586,53“, diz a denúncia.

Nas Concorrências 010/2020 e 011/2020 a denúncia mostra como as empresas do “esquemão” agiriam de acordo entre si, chegando a retirar documentos para que uma delas fosse vencedora.

Para as obras na regional Bacabal as empresas 4MA e Qualitech teriam apresentado documentos insuficientes para dar lugar à classificação da Ágil.

Prática semelhante teria supostamente sido realizada pela Ágil na Concorrência pela regional Carutapera, não apresentando proposta em mídia, para que a Nissi fosse a vencedora.

Prazos apertados

Uma segunda característica do suposto direcionamento de licitações na SINFRA seriam prazos insuficientes para que empresas desclassificadas de fora do “esquemão” não pudessem recorrer.

As 21 concorrências foram abertas dentro de cinco dias, entre 16 e 23 de novembro de 2020, várias delas haviam tido datas anteriores de abertura, até um mês antes, mas receberam aviso de adiamento, conforme consta na relação de licitações no site da SINFRA.

A denúncia narra que “nos dias de abertura dos envelopes de documentação, os licitantes não tiveram acesso a documentação das empresas concorrentes, A Comissão informou que faria a digitalização de toda documentação das empresas e disponibilizaria eletronicamente para os participantes proceder sua análise, porem isso não aconteceu, essa análise foi feita apenas pela comissão, tudo premeditado (sic)”.

A denúncia diz ainda que “as licitantes do ESQUEMÃO, tiveram oportunidade de retificar sua documentação, pior com a participação dos membros da comissão, para assim classificar somente as empresas protegidas (sic)”.

O resultado das habilitações para as 21 regionais foi divulgado no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, às 17h apenas no Diário da União. “Premeditadamente, fim de ano, algumas pessoas viajando, quando tomaram pé da situação já não havia mais prazo para recurso (sic)”, finaliza a denúncia.

As licitações das 21 regionais significam um gasto de R$ 466 milhões aos cofres públicos.

A denúncia é muito grave e precisa à atenção do Ministério Público para tomar as medidas cabíveis.

Outro Lado

Procurado pela reportagem, o secretário Clayton Noleto respondeu encaminhado o contato do seu assessor, Mozart. Ao ser procurado também, o assessor do secretário da Sifra disse apenas que fosse formalizado o pedido de esclarecimento para Secom (Secretaria de Comunicação do Estado).

ABAIXO A DENÚNCIA ENCAMINHADO AO SITE:

QUEIMAÇÃO! Edivaldo não quer aliança com Josimar de Maranhãozinho

Por Luís Pablo Política
 

A saída do ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior do PDT foi o assunto do fim de semana da classe política (veja aqui). Além de sair do partido do senador e pré-candidato a governador Weverton Rocha, o ex-prefeito também vai entrar na disputa ao Governo do Maranhão.

Ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho

Ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho

Edivaldo ainda não decidiu qual será o seu novo rumo partidário, mas tem recebido convite de diversos partidos.

Das legendas com interesse de ter candidatura própria ao Palácio dos Leões, o PL do deputado federal Josimar de Maranhãozinho é a única que o ex-prefeito não tem pretensão de se filiar.

Para Edivaldo é “queimão” para sua imagem uma aliança com Josimar. Aos mais próximos, o ex-prefeito da capital tem dito que não quer seu nome veiculado ao de Maranhãozinho.

Fardado e dentro do gabinete militar, coronel pede apoio para ser deputado

Por Luís Pablo Política
 

Comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, Coronel Célio Roberto

Em um vídeo feito para a Igreja do Evangelho Quadrangular, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, coronel Célio Roberto, pode ter infringido o Estatuto dos militares ou mesmo cometido um crime ao misturar sua posição no CBMMA, sua religião e conteúdo político-partidário.

Fardado e no gabinete em que despacha como comandante do Corpo de Bombeiros, o coronel aparece se dirigindo aos pastores da sua congregação religiosa pedindo que eles apoiem a sua pré-candidatura para deputado estadual.

“Nós imbuídos do desejo de continuar trabalhando pelo estado e trabalhar também pensando na obra missionária, trabalhar junto com as igrejas, que nós estamos vendo a possibilidade de nos lançarmos ao desafio de concorrer à uma cadeira na Assembleia Legislativa”, diz o comandante.

No Estatuto dos Policiais Militares do Maranhão, na Seção Única: Do Uso dos Uniformes, no parágrafo 1º do artigo 103, afirma que é proibido ao policial-miliar o uso do uniforme “I – em reuniões, propaganda ou qualquer outra manifestação de caráter político-partidário”.

Já no Regulamento Disciplinar do Exército, Anexo I, Relação de Transgressões, está listado no nº56 “Tomar parte, em área militar ou sob jurisdição militar, em discussão a respeito de assuntos de natureza político-partidária ou religiosa”, e no nº58 “tomar parte, fardado, em manifestações de natureza político-partidária”.

O site do Luís Pablo tentou entrar em contato com o comandante do Bombeiros, mas não conseguiu. O espaço está aberto para publicar o esclarecimento do coronel.

CLIQUE E VEJA:

Detran-MA inaugura novas instalações de Posto Avançado em Peritoró

Por Luís Pablo Política
 

Dr. Júnior, prefeito de Peritoró, acompanhado do secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, e do diretor-geral do Detran Francisco Nagib

Foi inaugurado nesta segunda-feira (10) o novo Posto Avançado do Detran-MA em Peritoró. A cerimônia de inauguração contou com a presença do prefeito de Peritoró, Dr. Júnior, do secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela, do diretor-geral do Detran-MA, Francisco Nagib, secretários municipais de governo, prefeitos de cidades vizinhas, vereadores e autoridades civis e militares.

O posto, que funcionará em parceria com a Prefeitura de Peritoró, tem por objetivo garantir mais conforto e melhorar o atendimento aos cidadãos, contando com um novo prédio, mais amplo e estruturado para a prestação de serviços à população do município.

Assinatura do Termo de Cooperação

Durante a solenidade foi assinado o Termo de Cooperação Técnica pelos gestores para oficialização da parceria entre o Detran-MA e a Prefeitura de Peritoró, que garante o funcionamento do Posto Avançado.

“Quero parabenizar o prefeito Dr. Júnior, que estabeleceu uma parceria muito forte com o Governo do Estado, e trago a sua pessoa um forte abraço do governador. Destaco o trabalho do diretor geral do Detran-MA, Francisco Nagib, e informo a população que a lógica do governo do Estado elevar os serviços aonde o cidadão está. Aqui é uma base para a regulação do trânsito. O Projeto de sinalização vertical e horizontal foi entregue pelo diretor Nagib ao prefeito, para disciplinar a condução de veículos e garantir a segurança da população”, explicou o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela.

O diretor geral do Detran-MA, Francisco Nagib, destacou os vários serviços que beneficiarão os cidadãos do município.

“Hoje Peritoró está em festa. Parabéns ao prefeito Dr. Júnior, um gestor determinado, e que em menos de seis meses de governo já fez muito. E hoje Peritoró recebe um posto de Detran, com todos os serviços do órgãos colocados a disposição do cidadão em um ponto estratégico, com toda eficiência e comodidade para o povo. O progresso chega em Peritoró e também o projeto de sinalização de trânsito, para garantir muito mais segurança a condutores e pedestres. Nossa missão é aproximar cada vez mais o Detran da população”, afirmou Francisco Nagib.

O prefeito Dr. Júnior agradeceu a parceria e enfatizou a importância do Posto para a população de Peritoró. “Hoje é um dia muito especial, onde recebemos um grande presente para o povo de Peritoró. O Posto Avançado do Detran representa muito. Representa mais serviços essenciais para a população, como a regularização do seu veículo, o recebimento e renovação da carteira de habilitação, a municipalização e a modernização de nosso trânsito, o que levará mais segurança para todos. Quero agradecer ao Diretor Francisco Nagib, ao secretário Jefferson Portela e ao governador Flávio Dino, por esta parceria que será tão importante para a nossa população”.

Serviços beneficiarão dos cidadãos

Posto avançado funcionará em parceria com a prefeitura de Peritoró

Cerimônia de entrega do posto avançado do Detran

Inauguração ocorreu nesta segunda-feira (10)

Secretários municipais de governo, prefeitos de cidades vizinhas, vereadores estiveram presentes

Também estiveram na inauguração outras autoridades civis e militares

Gestores públicos reunidos na cerimônia de entrega do Posto Avançado do Detran em Peritoró

Paulo Curió destaca sucesso da Live Especial de Dia das Mães em Turilândia

Por Luís Pablo Política
 

Prefeito de Turilândia, Paulo Curió, e a primeira-dama Dra. Eva Dantas

O prefeito municipal de Turilândia, Paulo Curió, destacou o sucesso da Live Especial de Dia das Mães, realizada neste domingo (8).

Para Curió o momento é de expressar sua “gratidão aos envolvidos no projeto e também parabenizar à todas as mamães sorteadas no evento”.

Na live foram sorteados prêmios para as mães de Turilândia, e o prêmio principal foi para a dona Maria Gomes de Lima que ganhou uma Moto Honda POP 0km.

“Com o apoio de colaboradores conseguimos proporcionar um dia das mães mais feliz para as nossas mamães e o nosso objetivo é continuar proporcionando mais alegrias a todos”, comentou o prefeito Paulo Curió.

Confira as imagens do momento especial:

Prefeito e primeira-dama fizeram o sorteio

Live Especial Dia das Mães em Turilândia

Mães se emocionaram ao receber prêmios

Prefeito agradeceu à organização

Foram sorteados eletrodomésticos

Live Especial Dia das Mães

Dona Maria Gomes de Lima ganhou uma Moto Honda POP 0km

Sorteio durante a Live Especial Dia das Mães

Primeira-dama Dra. Eva Dantas recebeu flores no evento

 

“Amizade não tem partido”

Por Luís Pablo Política
 

O Antagonista

Advogado Willer Tomaz com os senadores Flávio Bolsonaro e Weverton Rocha

Advogado Willer Tomaz com os senadores Flávio Bolsonaro e Weverton Rocha

O advogado Willer Tomaz, que conseguiu trancar no STF as ações de improbidade de Arthur Lira, foi ao Twitter escancarar suas relações em Brasília.

“Nunca neguei minha amizade com o senador Flávio, nem com outros senadores da base do governo ou da oposição a ele, a exemplo do senador Weverton [Weverton Rocha, do PDT].”

Willer emendou:

“Amizade não tem partido.”

O advogado integra o que se passou a chamar de “bancada jurídica bolsonarista”.

Flávio Dino confirma que disputará uma vaga no Senado em 2022

Por Luís Pablo Política
 

Flávio Dino (PCdoB)

Em entrevista concedida ao portal Congresso em Foco, no sábado (8), o governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB) confirmou que disputará uma vaga no Senado em 2022.

“Tenho dois grandes objetivos nas eleições de 2022. O primeiro é a busca do Senado pelo Maranhão e por outro lado derrotar o bolsonarismo porque o Brasil não aguentaria mais quatro anos de desastre. Minha colaboração é: o que podemos fazer para evitar mais quatro anos de governo desastrado, incompetente, improbo, que temos atualmente”, afirmou.

Por muito tempo especulou-se que Dino fosse abraçar uma campanha para presidente, ou mesmo sair como vice de uma liderança de esquerda no próximo pleito, como o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Na entrevista, Dino ressaltou que considera o PT como o maior partido da esquerda brasileira e Lula maior liderança da história do país.

“Ele [Lula] pode ser o candidato se de fato esse for o caminho que ele próprio coloque com o partido dele porque é um nome que tem todos os atributos para ser esse elemento de convergência, ou dependendo da avaliação em 2022 o PT apoiar alguém seria normal”, destacou.

Para o governador do Maranhão, a esquerda precisa novamente se aliar às forças do Centro, à exemplo de eleições passadas, para derrotar Bolsonaro nas urnas.

“Vimos em 2018 que majoritariamente essas forças centristas caminharam por ação ou por omissão com Bolsonaro e nós temos que criar um ambiente em que consigamos que deste campo, que eu situo nos marcos da Constituição de 1988, o candidato que passar tenha o apoio do outro”, lembrou.

Sobre a figura de Bolsonaro, Flávio Dino, o classificou como “um presidente inconstitucional” e que “é propício para fazer impeachment diante de um governo tão desastrado e inconstitucional e de um presidente da república tão amigo dos crimes de responsabilidade”.

“Porque o Bolsonaro está fora da Constituição. Bolsonaro é inconstitucional ele próprio. Ele todinho, do cabelo ao pé é incompatível com a Constituição Federal. Em tudo. […] Ele é um presidente inconstitucional. Nós temos que fazer com que o campo da Constituição se una, no primeiro ou no segundo turno, em 2022”, avaliou Dino.

Legalidade de seletivo em Paulino Neves é questionada pelo Ministério Público

Por Luís Pablo Política
 

Raimundinho Lidio, prefeito de Paulino Neves

O promotor de Justiça Fernando José Alves da Silva, da comarca de Tutóia, abriu um procedimento investigativo para apurar a legalidade de um seletivo em Paulino Neves.

Aberto pela Prefeitura Municipal de Paulino Neves, sob gestão do prefeito Raimundo de Oliveira Filho, o Raimundinho Lídio, o Processo Seletivo Simplificado nº 001/2021 foi realizado no mês de fevereiro deste ano.

O certame teve como objetivo a contratação temporária de professores da Educação Infantil; Ensino Fundamental de 1º ao 5º ano, Ensino Fundamental de 6º ao 9º ano e Educação de Jovens e Adultos.

A seleção dos profissionais foi feita apenas por análise de currículos, entregues na na sede da Secretaria Municipal de Educação.

Como parte da investigação, o Ministério Público marcou uma reunião com o prefeito Raimundinho Lídio, por videoconferência, para esta terça-feira (11), às 10.

Na pauta, termos de ajustamento de conduta a ser celebrado com o município de Paulino Neves para realização de concurso público para provimento de vagas imediatas para professor da rede municipal, mais cadastro reserva.

O ‘palácio’ do advogado de Weverton Rocha onde são tomadas grandes decisões

Por Luís Pablo Política
 
A mansão: luxo, lazer, festas e encontros que reúnem figurões do poder

A mansão: luxo, lazer, festas e encontros que reúnem figurões do poder

A Revista Veja revelou, em reportagem neste domingo (9), que “Rancho do Tomaz” é um local que reúne figurões do poder, onde são tomadas grandes decisões da República e conchavos que elegeram os atuais comandantes da Câmara e do Senado.

O dono da propriedade é o brasiliense Willer Tomaz de Souza, que tem como compadre o senador maranhense Weverton Rocha. Na época, em sua própria rede social, o senador publicou o batizado do filho do advogado. Reveja aqui.

O site do Luís Pablo já ouviu de uma autoridade maranhense que Tomaz será o maior investidor da campanha de Weverton. Essa mesma autoridade que já foi na mansão do advogado, disse que o senador tem uma quarto só para ele no local.

Willer Tomaz: “A prova que o MP tinha contra mim era saliva”

Willer Tomaz: “A prova que o MP tinha contra mim era saliva”

ABAIXO A REPORTAGEM NA ÍNTEGRA DA REVISTA VEJA:

O “Rancho do Tomaz” fica a 75 quilômetros do Palácio do Planalto. Quem chega pela entrada principal não tem noção de quanto o local é aprazível. Um portão de ferro e um muro de quase 3 metros de altura coberto de vegetação impedem olhares mais curiosos. Ao cruzá-lo, é como se surgisse um oásis no meio do cerrado. A terra batida do entorno dá lugar a gramados bem conservados, campo de futebol, piscina, quadra de tênis, gazebos, deque gourmet e um imponente píer.

Uma garagem náutica guarda barcos, lancha e um jet ski. O luxo contrasta com o aspecto rústico do lugarejo que fica às margens de uma lagoa de águas mansas e transparentes. Mas não é somente isso que chama a atenção.

De uns tempos para cá, o rancho passou a receber a visita de figurões, que, não raro, chegam de helicóptero para participar de animadas festas regadas a bebidas caras e boa comida, comemorações que contam com a presença de celebridades e reuniões petit comité em que são discutidas — e dizem até que decididas — questões importantes e sensíveis da República.

O dono da propriedade e anfitrião dos eventos é o brasiliense Willer Tomaz de Souza. É um desconhecido do grande público, mas um advogado de muito sucesso na capital do país. O escritório dele, um dos mais luxuosos da cidade, tem uma lista de clientes de fazer inveja às bancas mais tradicionais. Ele defende o presidente da Câmara, Arthur Lira, além de dezenas de deputados, senadores e governadores de Estado.

Duas décadas atrás, Willer era dono de um pequeno comércio nos arredores de Brasília. O negócio ruiu, ele decidiu cursar direito, abriu um escritório e fez fortuna na mesma velocidade com que arregimentou amigos influentes na política e no Poder Judiciário.

Recentemente, o advogado multiplicou seu prestígio em algumas áreas, diante de uma suposta proximidade que teria com a família do presidente Jair Bolsonaro, embora essa relação, por algum motivo, não possa ser tornada pública.

Flávio: selfie na chácara do advogado acusado de corrupção

Flávio: selfie na chácara do advogado acusado de corrupção

Quem pergunta a respeito ouve como resposta que não existe nenhuma relação — o que não é exatamente verdadeiro. O máximo que ele admite é que conhece superficialmente o senador Flávio Bolsonaro.

“Conheço o Flávio assim como conheço inúmeros senadores. Não sou advogado dele, não tenho negócio com ele, não tenho nada com ele”, garante Willer Tomaz. Indagado sobre o mesmo assunto, o senador não respondeu. Um de seus auxiliares mais próximos confirmou que ele foi apresentado ao advogado há alguns meses. Ponto. Nada além disso. Não são amigos, não trocam ligações, não se frequentam. A imagem acima, porém, mostra que existe alguma coisa não muito bem ajustada na versão contada pelos dois.

Na fotografia, o filho Zero Um do presidente da República registra o pôr do sol numa selfie tirada na beira da Lagoa Formosa, exatamente no píer da chácara do advogado que ele mal conhece. A foto foi postada numa rede social no dia 13 de fevereiro passado, um sábado. No município de Planaltina de Goiás, onde fica o Rancho do Tomaz, há quem jure já ter visto o próprio Jair Bolsonaro aparecer por lá.

“Há uns três meses, o presidente desceu aqui num pequeno helicóptero preto”, diz o funcionário de uma pousada que fica a uma distância de aproximadamente 300 metros da propriedade. É uma cena bastante improvável.

A lista de relacionamentos do advogado inclui juízes, desembargadores e até ministros de tribunais superiores. Em Brasília, essa confraria gera especulações, algumas lendas e muitos boatos. Dizem, só para citar episódios recentes, que o escritório e a chácara de Willer sediaram boa parte das articulações e conchavos que elegeram os atuais comandantes da Câmara e do Senado.

Comenta-se que passa por lá a elaboração de listas de indicações de ministros para cortes superiores e desembargadores para os tribunais federais. Só depois de referendadas pelo advogado e seus amigos mais próximos é que essas indicações chegariam ao Palácio do Planalto — uma insinuação obviamente maldosa. O passado de Willer Tomaz certamente ajuda a explicar a gênese de muitas dessas intrigas.

Colaboração premiada: delatores dizem que ouviram de Willer a confissão sobre pagamento de propina a procurador

Colaboração premiada: delatores dizem que ouviram de Willer a confissão sobre pagamento de propina a procurador

O advogado já foi preso e acusado de corrupção. Para ele e para muitos de seus atuais clientes, o dia 17 de maio dificilmente será esquecido. Nessa data, há quatro anos, o Brasil sofreu um tremendo abalo ao serem divulgados os detalhes do acordo de colaboração premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da empresa JBS.

Em troca de benefícios legais, eles confessaram ter pago 1 bilhão de reais em propina a deputados, senadores, governadores, prefeitos e também ao então presidente da República, Michel Temer. Nos dias que se seguiram, centenas de investigações foram instauradas, passou para a história a cena de um parlamentar correndo pela rua com uma mala contendo meio milhão de reais e um procurador da República foi preso sob a acusação de receber propina. Willer, segundo os delatores, teria sido o responsável pelo suborno ao integrante do Ministério Público.

No acordo de colaboração, assinado em 2017, os donos da JBS apresentaram 118 anexos, como são chamados os capítulos que resumem os segredos que o delator se compromete a revelar. Num deles, o de número 11, Joesley relatou que o procurador da República Ângelo Goulart Villela recebia dinheiro para vazar informações de interesse da empresa e influenciar nas decisões de um juiz federal.

O suborno, repassado por Willer Tomaz, envolvia o pagamento de uma mesada de 50 000 reais e um bônus de 1,5 milhão de reais. O advogado é processado por corrupção ativa. Villela, também preso preventivamente, foi afastado do cargo e responde a processo por corrupção passiva. Um episódio dessa magnitude, por razões óbvias, é capaz de fulminar toda uma carreira.

Além da ação criminal, o procurador está respondendo a processo administrativo, teve os vencimentos suspensos desde então e pode ser demitido, para o bem do serviço público. Já a de Willer, ao que parece, não sofreu maiores danos. “Hoje tenho mais de 240 parlamentares como clientes”, diz ele, ressaltando que vai provar sua inocência e mostrar que foi envolvido numa disputa de poder que havia no Ministério Público.

O advogado aposta numa reviravolta no caso a partir do que os próprios delatores disseram recentemente. No último dia 29, Joesley Batista foi ouvido como testemunha no processo administrativo contra o procurador Ângelo Villela. A Veja teve acesso ao trecho do depoimento em que o empresário, ao ser indagado se confirmava as acusações que fizera ao procurador e ao advogado, disse que tudo fez parte de um “statement” para chamar a atenção.

“Eu criei um statement que um juiz, um procurador, 50 000, parece crível essa história, mas até então eu não fazia a menor ideia de quem era Ângelo e jamais autorizei o Willer Tomaz a falar em meu nome, de dar um centavo para o doutor Ângelo, nem 50 000, nem por cento, nem nada”, afirmou o empresário.

Uma declaração não muito simples de compreender. Com base nessa declaração, a defesa do procurador acredita que o caso será encerrado. “Criação significa que não é verdade. É o que me basta. Não me importa entender em que contexto Joesley disse que era uma criação. Interessa que é uma mentira absurda que fez com que o Ângelo ficasse preso”, disse a VEJA o advogado Gustavo Badaró, defensor de Villela. “Isso mostra que a prova que o Ministério Público tinha contra mim era saliva”, completa Willer Tomaz.

Interlocutores da JBS esclarecem que, ao contrário do que interpretaram os advogados envolvidos na denúncia, Joesley Batista não voltou atrás, e sim confirmou o que havia dito antes: ele pessoalmente não pagou propina a Ângelo Villela, o que não quer dizer que o suborno não tenha ocorrido.

O responsável pela contratação dos serviços do procurador, segundo o empresário, era o próprio Willer Tomaz, que recebeu 4 milhões de reais para usar sua experiência, sua influência e, já naquela época, sua extraordinária rede de contatos para evitar que os processos contra a empresa avançassem na Justiça. Daquela vez, não houve motivo para festas.